fbpx

Reserva Federal EUA: Qual o Impacto das Taxas de Juro da FED?

Todos nós já sabemos que os bancos emprestam o dinheiro dos agentes económicos que depositam as suas poupanças. Está correto, mas há muito mais para além disto.

Existem vários momentos em que os bancos têm menos depósitos do que empréstimos. Surge, então, a necessidade de aparecerem instituições reguladoras como a Reserva Federal dos EUA (FED), que utilizam as taxas de juro para orquestrar a economia.

COMECE A INVESTIR

O que é a FED?

A Reserva Federal ou a FED é uma das instituições que regula a atividade económica dos Estados Unidos: o Banco Central. Para além das muitas funções que veremos adiante, a FED tem duas variáveis debaixo de olho: a inflação e o desemprego.

Através do uso de várias ferramentas, como a estipulação das taxas de juros ou a compra ou venda de reservas, a FED estimula ou acalma a economia. No entanto, para compreendermos essas questões devemos clarificar a diferença entre Bancos Comerciais vs Bancos Centrais:

1 – Bancos Comerciais: são os intermediários financeiros que garantem a liquidez a quem precisa (ex: através do crédito), e que salvaguardam o excesso de liquidez dos aforradores (ex: através dos depósitos).
2 – Bancos Centrais: para além de serem responsáveis pela supervisão de todo o sistema financeiro, coordenam a política monetária dos seus países.

Federal Reserve Board

O Federal Reserve Board é a administração da FED.

É constituída por 7 membros que são escolhidos pelo Presidente dos Estados Unidos e aceites pelo Senado. São também, os responsáveis por conduzir a política monetária e as atividades das instituições da FED, assim como supervisionar as atividades de todo o sistema financeiro.

?url=https%3A%2F%2Fstatic.politico.com%2Ff3%2Ff5%2Fe3e90e5a4a689a3a5408bdc75b56%2F191007 jerome powell ap 773 | Reserva Federal EUA: Qual o Impacto das Taxas de Juro da FED?
Jerome Powell, Federal Reserve Chair

“Quando Jerome Powell foi nomeado para liderar a Reserva Federal no final de 2017, houve alguma desaprovação pelo seu histórico pouco convencional.

The New York Times

Jerome Powell, é, desde 2017, o Chairman da Reserva Federal. Por outras palavras, é o diretor executivo da FED, responsável por conduzir as suas políticas. É também o Chair do Open Market Comittee.

No início de 2020, Jerome Powell viu-se obrigado a tomar medidas drásticas para combater a crise mundial. Vejamos alguns exemplos:

  1. Balizou a taxa de juro da Fed entre 0% e 0,25% para impulsionar a economia dos EUA;
  2. Comprou obrigações do tesouro, injetando mais 700 biliões na economia;
  3. Diminuiu as reservas obrigatórias dos bancos para 0%.

Federal Reserve Banks

Os Federal Reserve Banks são mais um órgão da Reserva Federal. Consistem num conjunto de 12 bancos, fulcrais para executar as políticas e orientações do Federal Reserve Board.

Taxas de juro da FED:
Mapa dos 12 Bancos da Reserva Federal

De acordo com a Reserva Federal, as suas principais funções são:

  1. Monitorar e examinar os bancos e outras instituições financeiras que são importantes para a política monetária no âmbito das suas operações;
  2. Emprestar dinheiro a várias instituições, garantindo a liquidez do sistema financeiro;
  3. Promover os serviços necessários do sistema financeiro, como processar cheques e pagamentos e distribuir moeda pelas instituições bancárias ;
  4. Supervisionar as instituições financeiras quanto ao cumprimento das leis de proteção dos consumidores e de compliance.

Cada Banco (Federal Reserve Bank) age como um “banco para os bancos”.

Reserva Federal em “The Three Key System Entities”

Open Market Committee

Este comité é o braço da FED que controla a política monetária dos EUA. Define as orientações das operações de mercado aberto, onde as instituições financeiras emprestam umas às outras.

Os ativos da FED (obrigações do tesouro e empréstimos interbancários) são também avaliados e geridos pelo Open Market Comittee.

Por último, esta instituição é também responsável por manter o público informado, acerca das diretrizes futuras da política monetária da FED.

Principais funções da Reserva Federal dos EUA

As duas grandes metas da FED são o desenvolvimento económico dos EUA e a estabilidade do sistema financeiro. Como tal, faz uso de uma série de instrumentos para cumprir as suas principais funções:

  • conduzir a política monetária,
  • estabilizar o sistema financeiro,
  • supervisionar e regular o sistema financeiro,
  • garantir a segurança e eficiência do sistema de pagamentos
  • e proteger os consumidores.

Política Monetária

A política monetária constitui o conjunto de decisões tomadas pelo banco central, enquanto autoridade monetária, para influenciar as taxas de juro e a disponibilidade de moeda em circulação e, desta forma, afetar o consumo e o investimento.

Banco de Portugal em “Política monetária na área do euro

Vejamos, quando a FED compra obrigações do tesouro americano em operações de mercado aberto, vai adicionar mais fundos disponíveis para os bancos comerciais emprestarem a negócios e famílias. Deste modo, facilitando o crédito aos indivíduos e empresas, o FED consegue impulsionar a economia dos EUA.

Resumidamente:
1. A FED compra Obrigações do Tesouro.
2. Aumenta a moeda em circulação.
3. Acesso ao crédito fica facilitado.
4. Aumenta consumo e investimento.
Resultado: Diminuição do nível de desemprego + Aumento da Inflação

Estabilidade do sistema financeiro

Podemos imaginar o sistema financeiro como a estrutura que assegura a transferência de fundos entre quem tem dinheiro e quem precisa de dinheiro.

A estabilidade do sistema financeiro é, portanto, uma das premissa para uma economia saudável.

Problemas no sistema financeiro impediriam as empresas de angariar fundos para investir, ou uma família de comprar a sua habitação. A FED tenta manter este sistema saudável e estável, intervindo sobretudo nos intermediários financeiros. Estes intermediários podem ser bancos comerciais, fundos de investimento ou até seguradoras.

  • Alavancagem na Banca

Um dos indicadores que atrai a atenção da FED é o grau de alavancagem (ou leverage) dos bancos comerciais. Na prática, este rácio mede a proporção entre a dívida dos bancos e o seu ativo.

Assim, a FED monitoriza regularmente este indicador nos intermediários financeiros, prevenindo que, durante choques financeiros, a economia não colapse.

Como? Se as instituições financeiras tiverem baixos níveis de alavancagem, ou seja, muita dívida em relação aos seus ativos, poderão não conseguir honrar os seus compromissos e, assim, entrar em falência.

Após a recessão de 2007/08, os bancos comerciais, principalmente os too big to fail“, têm sido alvo de cada vez maior controlo.

Supervisão e Regulação

A FED tem em mãos a importante tarefa de regular o sistema financeiro.

Tal é atingido, definindo os regulamentos e orientações (éticas, legais e burocráticas) pelas quais as instituições financeiras se devem reger. Posteriormente, é também dever da FED monitorizar o comportamento destas organizações de forma a garantir que estejam a cumprir as normas préviamente definidas.

Nota que: Os regulamentos e orientações da FED são criados seguindo o rumo indicado pelo Congresso e absorvendo as opiniões do Open Market Comitee.

Um dos exemplos dessa regulação é a imposição de medidas que visam diminuir o risco de compliance.

O risco de compliance é: “o risco legal ou sanções regulamentares, perda financeira, ou a perda de reputação que um banco pode sofrer do resultado do seu incumprimento perante a lei, regulamentos, regras, regulamentos internos, normas ou códigos de conduta relacionados com as atividades bancárias.”

Basel Comittee on Banking Supervision em “Compliance and the compliance function in banks“.

Segurança e Eficiência do Sistema de Pagamentos

O sistema de pagamentos tem sofrido alterações marcantes para a economia.

O uso de meios tecnológicos para efetuar pagamentos tem aumentado exponencialmente, e de outro modo, o uso dos cheque tem decrescido. Posto isto, também a segurança e eficiência do sistema de pagamentos tem vindo a ser uma prioridade.

Cheque

Neste campo, a FED é responsável por recolher e distribuir moeda, garantir a liquidez dos bancos, regular o uso de cheques e de pagamentos por cartões eletrónicos e supervisionar os sistemas de pagamentos.

Proteção do consumidor

Em 2013, quase todas as famílias americanas estavam envolvidas com o sistema financeiro.

Reserva Federal em “Promoting Consumer Protection and Community Development

Surge, portanto, a necessidade de assegurar o cumprimento de boas práticas das instituições financeiras para com os consumidores. Por isso, a FED fiscaliza o cumprimento das normas e leis que protegem os consumidores.

Quando há transgressões por parte das instituições financeiras, são estabelecidos acordos corretivos, interrompem-se ordens, aplicam-se coimas financeiras e, em última instância, poderão ter de indemnizar os consumidores.

Impacto das Taxas de Juro da FED na Economia

Como se viu acima, as taxas de juro são um dos pilares da FED para o desenvolvimento económico. Garantir que as taxas de juro comerciais não atingem valores muito altos, nem muito baixos, assegura níveis de inflação e desemprego controlados.

Uma das imposições aos bancos é que mantenham um nível mínimo de reservas junto da Reserva Federal. Ora, se os bancos comerciais não conseguirem ter esses níveis de reservas no final de cada dia existe a necessidade de se financiarem, nas chamadas operações overnight.

Os Bancos comerciais que tiverem excesso de reservas emprestam aos bancos que têm falta de liquidez, formando-se então a Federal Funds Rate, que é a taxa de juro destas transações.

taxas de juro da FED: 1980-2020

Resta-nos entender como se processa a intervenção da Reserva Federal na fixação da Federal Funds Rate.

A FED baliza esta taxa de juro, emprestando diretamente aos bancos comerciais, ou tomando de empréstimo destes bancos. Os bancos comerciais poderão financiar-se perante a Reserva Federal se os outros bancos não tiverem liquidez para emprestar, ou se as taxas de juro entre os bancos forem diferentes do balizamento da FED.

Por exemplo:
1. Diminuição da taxa de jura da FED – Federal Funds Rate
2. Bancos Comerciais financiam-se a taxas de juro mais baixas
3. Bancos Comerciais concedem crédito a taxas de juro mais baixas
4. Acesso ao crédito fica mais fácil
5. Aumenta o investimento e consumo dos agentes económicos
Resultado: Diminuição do nível de desemprego + Aumento da inflação

Estas taxas de juros diretamente atribuíveis à FED denominam-se de Federal Discount Rates.

As taxas de juro da FED nos agentes económicos

A Federal Funds Rate é, em grande parte, a base de uma série de taxas de juro comerciais. Apesar de ser uma taxa de juro interbancária, que é definida quando os bancos emprestam dinheiro entre si, esta acaba por ser a base das taxas de juro para os indivíduos. Assim, os bancos indexam à Federal Funds Rate, algumas das taxas de juro que praticam.

Por exemplo: A EURIBOR (taxa de juro interbancária europeia) serve de base às taxas de juro praticadas para o crédito à habitação. Assim, essencialmente, quando a EURIBOR sobe, a prestação do crédito à habitação sobe também.

Outros tipos de produtos como cartões de crédito também sofrem alterações, paralelamente com as alterações da taxa de juro da FED. Assim, os níveis de consumo dos indivíduos são afetados diretamente com a política da FED.

Sucintamente, quanto maior for a Federal Funds Rate, mais caro será o acesso ao crédito, reduzindo assim o investimento e consumo da economia. Já quando a Federal Funds Rate baixa, promove-se o acesso ao crédita, o que faz aumenta o consumo por parte dos indivíduos e o investimento por parte das empresas.

Impacto das taxas de juro da FED: no mercado de ações e cambial

No mercado de ações, as alterações na Federal Funds Rate trazem impactos que também merecem a nossa atenção.

Quando as taxas de juro baixam, alguns produtos financeiros como depósitos a prazo ou obrigações do tesouro tornam-se menos rentáveis. Outros investimentos financeiros, onde podem ser colocadas as minhas poupanças, são mais aliciantes, pois acabarão por ser mais lucrativos para os investidores.

O mercado de ações é então uma alternativa para os depósitos a prazo, ou obrigações do tesouro, fazendo com que o preço das ações, tendencialmente, suba.

INVESTIR EM AÇÕES

Os agentes económicos são informados, por norma, das decisões do FED. Então, criam-se expectativas de crescimento ou recessão económica nos indivíduos. Por exemplo, se a FED informar que baixará a Federal Funds Rate, os indivíduos terão a perceção de que a economia irá crescer. Portanto irão apostar em mercados indexados ao crescimento da economia, como o mercado de ações.

Estas alterações da taxa de juro impactam ainda a moeda do país. Se a Federal Funds Rate baixar, os rendimentos de ativos em dólares vão parecer menos atraentes para os investidores. Os investidores internacionais, vão optar, então, por ativos emitidos noutra moeda, desvalorizando assim o dólar.

As taxas de juro da Fed: nas crises económicas

Os efeitos na Economia não se ficam por aqui. Em períodos de crise, como o que vivemos atualmente, os instrumentos da FED têm sido preponderantes para o alisamento dos choques na economia. Ao diminuir as taxas de juro da FED e ao adquirir obrigações do tesouro, as consequências económicas das crises são reduzidas.

Foi exatamente o que aconteceu durante esta recessão económica justificada pela COVID-19. A taxa de juro da FED baixou em março para o intervalo de 0%-0,25%. Espera-se que, assim, se consiga garantir a liquidez aos agentes económicos. Isto é, que os indivíduos tenham capacidade para gastar, continuando a consumir.

Caso contrário, veríamos uma destruição em massa de empregos e de negócios, baixando o nível de produção da economia. Nestes momentos, apercebemo-nos do elevado impacto que a Reserva Federal poderá ter na vida de todos nós.

INVESTIR EM FOREX
Sobre o Autor:
Produtor de Conteúdos - Jornal da Moeda

Licenciado em Economia na FEUC, frequenta neste momento o Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial no ISCAC – Coimbra Business School.

Citação:
"Quero simplificar o acesso à informação financeira do mundo económico para toda a gente.”

Sobre o Autor:
Produtora de Conteúdos - Jornal da Moeda

Começou o seu percurso como atleta de alta competição. Em 2015 foi eleita vereadora no projeto "Jovem Autarca" de Santa Maria da Feira e desde então que se mantém presente nas iniciativas municipais.

Atualmente exerce como Auditora Interna no Banco BAI.

Deixa um comentário