fbpx

Os segredos do ouro

Este artigo é exclusivamente dedicado aos segredos do ouro! Qual a sua Historia? O que está por trás do seu valor? E qual a sua influência no mundo e nas moedas de todos os países?

Reveja ainda as melhores formas de investir em ouro atualmente…

Uma Breve História sobre o Ouro

A história do ouro começa em 3000 aC, quando os antigos egípcios começaram a produzir joias. Só em 560 aC é que o ouro começou a ser usado como moeda. Naquela época, os comerciantes queriam criar uma forma padronizada e facilmente transferível de valor que simplificasse o comércio. A criação de uma moeda de ouro estampada com um selo parecia ser a resposta, pois as joias de ouro já eram amplamente aceites e reconhecidas em vários partes do mundo.

ouro

Já no Império Bizantino, o ouro era usado para apoiar moedas fiduciárias, ou seja, aquelas consideradas moedas legais no seu país de origem. O ouro também foi usado como refúgio seguro durante a maior parte do século XX.

As libras britânicas, por exemplo, eram baseadas na quantidade de ouro (ou prata) que representavam. Eventualmente, o ouro passou a simbolizar riqueza em toda a Europa, Ásia, África e Américas.

O Padrão-Ouro dos EUA

O governo dos EUA continuou com essa tradição de ouro estabelecendo o Padrão-Ouro em 1792. O Padrão-Ouro era baseado no pressuposto de que todas as unidades monetárias dos EUA eram apoiadas por ouro ou prata. Por exemplo, um dólar americano equivalia a 24,75 grãos de ouro. Ou, por outras palavras, as moedas usadas como dinheiro representavam simplesmente o ouro (ou prata) atualmente depositado no banco.

Mas o Padrão-Ouro chegou ao fim…

Durante a década de 1900, houve vários eventos importantes que eventualmente levaram à transição do ouro para fora do sistema monetário. Em 1913 foi criada a Reserva Federal dos EUA (FED) que começou a emitir notas (a versão atual de nosso papel-moeda) e que poderiam ser levantadas em ouro. A Lei da Reserva de ouro deu ao governo dos EUA o título de todas as moedas em circulação e pôs fim à cunhagem de quaisquer novas moedas de ouro.

Em suma, este ato começou a estabelecer a ideia de que ouro ou moedas de ouro não eram mais necessárias para servir como dinheiro. Até o Padrão-Ouro ser abandonado, os países não podiam simplesmente imprimir moedas fiduciárias. Aí, o papel-moeda tinha que ser sustentado por uma quantidade igual de ouro nas suas reservas.

Esta lei permaneceu até 1971, altura em que o presidente Nixon a interrompeu.

Vê mais acerca da evolução da moeda neste artigo.

(1) Segredos do ouro: Preserva riqueza

Um dos segredos do ouro na economia moderna centra-se na capacidade de preservar a riqueza com sucesso por dezenas de gerações. O mesmo, no entanto, não pode ser dito sobre moedas em papel. Para colocar as coisas em perspectiva, considere o seguinte:

No início da década de 1970, uma onça de ouro equivalia a US $ 35. Digamos que naquela época, você tinha a opção de guardar uma onça de ouro ou simplesmente manter os US $ 35. Ambos comprariam as mesmas coisas, como uma bicicleta. No entanto, se você tivesse uma onça de ouro hoje e a convertesse para os preços de hoje, ainda seria suficiente para comprar uma bicicleta, mas o mesmo não pode ser dito para os US $ 35.
Em resumo, você teria perdido uma quantidade substancial da sua riqueza se decidisse manter os US $ 35 em vez de uma onça de ouro porque o valor do ouro aumentou, enquanto o valor de um dólar diminuiu (graças ao efeito da inflação).

(2) Segredos do ouro: Hedging contra o dólar

Os segredos do ouro não são apenas que preserva a riqueza, ainda mais importante é num ambiente económico em que os investidores têm um dollar em declínio e a inflação crescente.

trading

Historicamente, o ouro serviu de proteção contra os dois cenários. Com o aumento da inflação, o ouro geralmente valoriza. Quando os investidores perceberem que o seu dinheiro está a perder valor, começam a posicionar os seus investimentos em activos mais seguros que tradicionalmente mantém o seu valor. A década de 1970 apresenta um excelente exemplo do aumento dos preços do ouro em circunstâncias de aumento da inflação.

A razão pela qual o ouro beneficia com a queda do dólar é o preço do ouro no mundo. Existem duas razões para esse relacionamento. Primeiro, os investidores que desejam comprar ouro (bancos centrais) devem vender dólar americano para fazer essa transação.

Em última análise, isso reduz os dólar dos EUA, à medida que os investidores globais buscam diversificar o portfolio. A segunda razão tem a ver com o facto de que um dólar enfraquecido torna o ouro mais barato para investidores que possuem outras moedas. Isto resulta numa maior procura por parte dos investidores que possuem moedas que se valorizaram em relação ao dólar.

(3) Segredos do ouro: Ouro como refúgio seguro

Sejam as tensões no Médio Oriente, na África ou em outros países, é óbvio que a incerteza política e económica é outra realidade do ambiente económico moderno. Por este motivo, um dos segredos do ouro que não é tão bem guardado é que os investidores geralmente consideram o ouro um refúgio seguro em tempos de incerteza política e económica.

Os investidores podem investir em ouro por meio de fundos negociados em bolsa (ETFs), comprando ações, através de CFD’s e comprando ouro físico. Os investidores têm tantas razões para investir no metal quanto métodos para fazer esses investimentos.

(4) Segredos do ouro: Como é determinado o preço?

Os Bancos Centrais representam parte da procura do ouro mas também é muito procurado para fabrico de joias. Em 2019, as joias representaram aproximadamente metade da procura do metal amarelo, que totalizou mais de 4.400 toneladas, de acordo com o Conselho Mundial do Ouro.

Índia, China e Estados Unidos são os maiores consumidores de joias em termos de volume. Outros 7,5% da procura são atribuídos aos usos tecnológicos e industriais, onde é usado na fabricação de dispositivos médicos e outros.

Portanto, os preços podem ser afetados pela teoria básica de oferta e da procura; À medida que a procura por ouro aumenta como para joias, equipamentos eletrónicos e investidores o custo aumenta se tudo se mantiver constante.

Produção de Ouro

Os principais players da mineração mundial incluem China, África do Sul, Estados Unidos, Austrália, Rússia e Peru.

mina de ouro
Mina de ouro

A produção mundial afeta o preço do ouro, outro exemplo da oferta que se define em função da procura. A produção duma mina de ouro foi de aproximadamente 3.500 toneladas em 2018, contra 2.400 em 2010. No entanto, apesar do aumento no período de dez anos, a produção de mineração de ouro não mudou significativamente desde 2016. Uma razão é que o “ouro fácil” já foi extraído, as empresas de mineração agora precisam de ir mais fundo para ter acesso às reservas de ouro de qualidade.

A influência do ouro

Embora não seja mais usado como forma primária de moeda nos países desenvolvidos, o metal amarelo continua a ter um forte impacto no valor das moedas. Além disso, existe uma forte correlação entre o seu valor e a força das moedas negociadas em bolsa.

O preço do ouro afeta os países que o importam e exportam…

O valor da moeda de uma nação está fortemente vinculado ao valor da sua Balança Comercial (exportações – importações). À partida, quando um país importa mais do que exporta, o valor da sua moeda diminui. Em contrapartida, o valor da sua moeda aumenta quando um país for um exportador líquido, consequentemente, um país que exporta ou tem acesso a reservas aumentará a força da sua moeda quando os preços do ouro aumentarem, e isso aumenta o valor das exportações totais do país.

Por outras palavras, um aumento no preço pode criar um superávit comercial ou ajudar a compensar um défice comercial . Porém, os países que são grandes importadores de ouro acabarão inevitavelmente por ter uma moeda mais fraca quando o preço do ouro subir. Por exemplo, os países especializados em produzir produtos feitos com ouro, mas sem reservas próprias, são grandes importadores do mesmo. Logo, estão particularmente suscetíveis aos aumentos no preço deste bem precioso.

Investir em ouro

O ouro também tem procura por parte de fundos negociados em bolsa que detêm o metal e emitem produtos financeiros que os investidores podem comprar e vender. O SPDR Gold Fund (GLD) é o maior fundo, e detinha 915 toneladas de ouro no final de 2019. No total, as compras do metal por vários veículos de investimento representam aproximadamente 25% da procura total, de acordo com o Conselho Mundial do Ouro.

Enquanto alguns ETFs representam a propriedade do metal real, outros detêm ações de empresas de mineração em vez da comodidade real.

“Quando as taxas de juros são baixas, temos condições para o desenvolvimento de bolhas de ativos e essas condições estão a acontecer na actualidade. A bolha mais apelativa dos ativos é o ouro.”

George Soros

Produtos financeiros relacionados com o ouro

Uma das principais diferenças entre investir em ouro há várias centenas de anos atrás e hoje é que existem muito mais opções de investimento, como por exemplo:

  • Futuros de ouro
  • Moedas de ouro
  • Ações de empresas de ouro
  • ETFs de ouro
  • Fundos mútuos de ouro
  • CFD’s – Contratos pela diferença de Ouro

ETF’s de ouro

Os ETFs são fundos de comodidades que são negociadas como ações e têm sido uma forma popular de investimento.

Neste produto financeiro, os investidores não possuem a mercadoria física. Em vez disso possuem quantidades de ativos relacionados ao metal, proporcionando mais diversidade no portfólio. Esses instrumentos custam muito menos do que o ouro em si ou futuros, sendo uma boa maneira de adicionar ouro a um portfólio. Mas o que muitos investidores não percebem é que o preço para negociar ETFs pode superar a sua conveniência.

O primeiro fundo negociado em bolsa (ETF) desenvolvido especificamente para acompanhar o preço do ouro foi introduzido nos Estados Unidos em 2004. O ETDR SPDR Gold Trust foi apresentado como uma alternativa barata em vez de possuir ouro físico ou comprar futuros. O primeiro ETF, no entanto, foi lançado na Austrália em 2003. Desde a sua introdução, os ETFs tornaram-se uma alternativa amplamente aceite pelos investidores.

Outro aspeto a considerar são as taxas associadas aos ETFs. Como o ouro em si não gera receita e ainda existem despesas que devem ser cobertas, a administração do ETF pode vender ouro para cobrir essas despesas.

Cada venda pelo trust é um evento tributável para os acionistas. Isso significa que a taxa de administração de um fundo, juntamente com qualquer taxa de patrocinador ou de marketing, deve ser paga mediante a liquidação de ativos. Tal, diminui o total de ativos subjacentes por ação, o que, por sua vez, pode deixar os investidores com um valor representativo de menos de um décimo de uma onça ao longo do tempo. Isso pode levar a discrepâncias no valor real do ativo e no valor listado do ETF.

ETF’s de ouro vs Futuros de ouro

Os futuros, em comparação com os ETFs são correspondentes diretos . Os investidores podem comprar ou vender a seu critério. Não há taxas de administração, os impostos são divididos entre ganhos de capital de curto e de longo prazo, não há terceiros que tomam decisões em nome do investidor e a qualquer momento os investidores podem terminar os seus contratos e receber o correspondente.

Portanto, um investimento de US $ 1.000 num ETF como o SPDR Gold Shares ( GLD ) representaria uma onça (supondo que o ouro esteja a ser negociado a US $ 1.000. Usando os mesmos US $ 1.000, um investidor pode comprar um contrato de E-micro Gold Futures que representa 10 onças.

A desvantagem desse tipo de alavancagem é que os investidores podem ter lucros e perdas com base em 10 onças de ouro.

CFD’s vs Futuros de ouro

CFDs e Futuros são ambas formas de negociação de derivativos. Um contrato futuro é um contrato para comprar ou vender o ativo subjacente a um preço definido numa data futura, independentemente de como o preço seja alterado nesse tempo.

Como se negoceiam em bolsas, tanto os CFD’s como os contratos Futuros fornecem aos investidores mais alavancagem financeira, flexibilidade e integridade financeira do que negociar o ouro físico.

Agora, os contratos Futuros são comprados e vendidos em grandes bolsas de valores, mas, às vezes, sofrem execuções comerciais penalizadoras, enquanto os CFDs são negociados com corretores que frequentemente são os “criadores” do mercado. Algumas pessoas argumentam que isso significa que eles manipulam os preços, mas com a enorme popularidade dos CFDs e a concorrência entre os corretores, o que se encontra na prática é que isso não deverá ser um problema. Nas comodidades geralmente terão spreads de oferta mais restritos que os CFDs.

Consequentemente, para alguém que quer negociar em quantidades realmente grandes, os Futuros provavelmente serão uma escolha melhor.

Outra vantagem dos CFDs é a facilidade em abrir uma conta. Geralmente, há menos regulamentação em torno dos contratos de diferença e você pode começar a negociar com muito menos capital.

Existem outras considerações ao escolher entre CFDs e Futuros. Como mencionado acima, ambos alavancam o seu dinheiro, o que, na prática, significa que lhe são cobrados juros pelo seu corretor. No entanto, enquanto nos CFDs os juros são cobrados diariamente, com os Futuros a cobrança é pré-definida.

Você deve garantir que as taxa cobradas sejam razoáveis, tanto a nivel de spreads (comissão da corretora) como swaps (taxas noturnas). Como os CFDs são tipicamente um veículo de negociação de curto-prazo, o ganho geralmente não é alto no swap mas sim no spread. Porem ter posições abertas por longos períodos é preciso ter alta consideração ao swap, o que nos futuros poderá ser mais dispendioso. No geral, os CFDs têm melhor flexibilidade e são preferidos por muitos traders.

Conclusão

O ouro tem um impacto profundo no valor das moedas mundiais. Embora o Padrão-Ouro tenha sido abandonado, este como mercadoria pode atuar como substituto das moedas fiduciárias e ser usado para hedging ou contra a inflação. Não há dúvida de que continuará a desempenhar um papel fundamental nos mercados financeiros. Portanto, é um metal importante a ser seguido e analisado pelas suas características únicas de representar a saúde das economias locais e internacionais.

Para verificar os méritos do investimento em ouro, vamos verificar seu desempenho em relação ao S&P 500 nos últimos 10 anos. O ouro teve um desempenho superior ao do S&P 500 no período de 10 anos encerrado em 26 de janeiro de 2018, com o índice S&P GSCI gerando 3,27% em comparação com o S&P 500, que retornou 10,36% no mesmo período.

Existem vantagens e desvantagens em todos os investimentos. A compra de ações de uma empresa de mineração de ouro é um bom investimento de diversificação. Se tenciona usar o ouro contra a inflação, investir em moedas, barras de ouro ou joias são caminhos para a prosperidade em ouro, como consequência a segurança será um problema e potencialmente um custo.

Por fim, se o seu principal interesse é usar a alavancagem para beneficiar com as características únicas do preço do ouro, os mercados dos CFD’s, ETF’s e Futuros podem ser a sua resposta, mas note que há mias risco associado em qualquer investimento alavancado.

Deixa um comentário