fbpx

Sul continua com melhores salários que Norte

Lisboa continua a ser o distrito no qual os salários para quem trabalha por contra de outrem são os mais elevados do país. Porto fica abaixo de Setúbal e é em Bragança onde se ganha menos, sendo que a zona Sul continua com melhores salários que Norte.

Numa altura em que os parceiros sociais estão a trabalhar com o Governo no sentido de chegar a um acordo sobre competitividade e rendimentos, o Executivo já disse que quer ver os salários a crescer acima da produtividade e da inflação (o que implicaria uma subida mínima de 2,7% em 2020), defendendo a negociação de referenciais por setor.

Segundo dados providenciados pelo INE, Estatísticas do Rendimento ao nível local com base na informação produzida pelo Ministério das Finanças – Autoridade Tributária e Aduaneira, um trabalhador por conta de outrem em Lisboa ganha mais 25% do que a média nacional e mais 334 euros que no distrito do Porto. 

Na outra ponta está Bragança, onde um trabalhador por contra de outrem ganha menos 22,1% que a média do país, de apenas 1.133,3 euros por mês. Estes são valores brutos e que incluem prémios, subsídios e até horas extraordinárias.

Um trabalhador no Porto ganha em média menos 9,6% – salário médio bruto anual – que um em Lisboa que tenha a mesma função e experiência profissional. Tendo como referência um patamar de experiência profissional entre seis a dez anos, são, em média, menos 4.820 euros brutos anuais de salário.

E a disparidade salarial é ainda maior em alguns setores de atividade, como por exemplo o turismo.

Em Lisboa, a remuneração média mensal é de 1.416,6 euros, mais 283,3 euros que a média nacional. O distrito de Setúbal surge em segundo lugar, com a remuneração média mensal nos 1.207,9 euros.

No Porto a remuneração média mensal é de 1.082,4 euros, abaixo do distrito de Lisboa e de Setúbal. Em comparação com Lisboa, a remuneração média mensal ganha por um trabalhador por contra de outrem é inferior em 334,2 euros.

Na outra ponta está Bragança, o distrito onde as remunerações são mais baixas (excluindo a Região Autónoma da Madeira e dos Açores), ficando-se pelos 882,6 euros, menos 22,1% que a média nacional e a 534 euros de diferença de Lisboa. 

Setor agricola em Portugal

Salário mínimo em Portugal

Atualmente, o salário mínimo em Portugal é de € 635,00 (2020).

O valor ainda é considerado um dos mais baixos da Europa e sem quaisquer propensões de aumento no pós-pandemia.

O custo de vida tem subido a par do crescimento da economia e infelizmente um salário mínimo pode não ser suficiente para sustentar uma família, principalmente pela subida recente dos já altos preços de aluguer praticados desde o último ano.

De acordo com a Hays, numa pesquisa realizada pela empresa de recrutamento, o salário médio em Portugal é de € 943,00. Estes salários correspondem principalmente a pessoas com formação superior ou formação técnica em áreas específicas e de acordo com a regionalidade como descrito anteriormente.

Segundo o governo português, mais de 720 mil trabalhadores recebem um salário mínimo, quase 1/4 da população trabalhadora, € 635,00 por mês.